domingo, 17 de abril de 2011






      Lembro dos meus 10, 11 anos. No colégio, eu ficava sempre observando as meninas mais velhas. O jeito como agiam e se mexiam, algumas bem espertas e outras bem encantadoras. E eu olhava elas, imaginando o dia em que eu iria crescer, poder sair sozinha, ter um pouco mais de liberdade. Me recordo também da maneira como eu me divertia com minhas amigas, das paquerinhas inocentes, dos nossos amores platônicos, do medo de apresentar os trabalhos na sala de aula, enfim, tantas coisas. Era tudo tão bom… Hoje, eu olho para as crianças e a saudade toma conta de mim. Como eu queria voltar no tempo! Eu tinha tudo mais fácil e não fazia idéia disso. Acho engraçado como o tempo te faz amadurecer e te faz mudar as opiniões (…) Mas sabe, além da saudade, sinto uma enorme gratidão. Sim, sou grata à Deus e à vida por me deixar viver até agora com minhas amigas, que considero como irmãs. Posso olhar ao redor, vê-las e saber que apesar dos momentos terem passado, o sentimento de companheirismo permanece e continuamos a ser as mesmas garotinhas, com os mesmos sonhos e planos para o futuro. O fato é que o exterior pode até ter mudado, o interior em parte também, mas a nossa essência é e sempre será a mesma. Agora é guardar as recordações, com todos os detalhes, lá dentro da gente, na mente, no coração e seguir em frente. Continuar escrevendo nossas histórias. Continuar vivendo. 



    by:friends

1 comentários:

Letícia Zany disse...

Que textinho lindo *------*
Adoreei.
Tenho 15 anos e as vezes me culpo por isso mesmo... As vezes de ficar olhando as pessoas livres e não ter a mesma oportunidade que elas tem!
"Quem acredita sempre alcança".

Postar um comentário